Ozzy Gremista ?

Não né, ele nem sabia o que era a bandeira que jogaram pra ele no palco,  nenhum desmerecimento ao grêmio, por favor. Colocou a bandeira por alguns segundos nas costas enquanto cantava, a mesma caiu e rapidamente foi recolhida. Roqueiros fazem esses tipos de coisa para agradar a galera, mas muitas vezes entram na maior saia justa. Ozzy é Ozzy e pode fazer o que bem quiser, porra, ele já comeu morcego numa apresentação, porque não poderia entrar com qualquer tipo de bandeira no palco, fosse ela da metade vermelha ou da metade azul do estado do RS. No demais, serve de combustível para todo tipo de brincadeira numa das maiores rivalidades do futebol brasileiro. O bom que lá no gigantinho, estava toda a plateia sob a mesma bandeira, a bandeira do heavy metal, a bandeira da boa música, na voz do MESTRE OZZY !!!
Quem foi, viu e curtiu uma lenda viva do Heavy Metal, me arrisco em dizer que Black Sabbath, é o pai do Heavy Metal, na voz de OZZY. Ele promete que volta, quem sabe nessa oportunidade agrade aos colorados, quem jogar mais rápido a bandeira do time, poderá tê-la carregada por essa lenda. Fica a dica.

Set List:
Bark At The Moon
Scream
Mr. Crowley
I Don´t Know
Fairies Wear Boots
Suicide Solution
Road To Nowhere
War Pigs
Shoot In The Dark
Solo (Rat Salad)
Iron Man
I Don´t Want to Change The World
Crazy Train
Mama I´m Coming Home
Paranoid
.

Os vocalistas: Ian Gillan

Seu apelido mais famoso é Silver Voice, “Voz de Prata”. Existem sobre ele as tais das lendas que, ele usava calças apertadas para potencializar os gritos de “Child in Time”, e que cantava nu em estúdio, durante as gravações, para se sentir à vontade. Abaixo Child in Time, a atuação do vocalista Ian Gillan nessa canção é emblemática, demonstrando por que ele foi (e ainda é) uma das maiores vozes roqueiras de todos os tempos. E Perfect Strangers, música que dá nome ao décimo primeiro álbum do Deep Purple, lançado em 1984.

Através do convite de Jon Lord e Ritchie Blackmore, Ian Gillan veio para o Deep Purple em 1969 para substituir Rod Evans como vocalista. Isso ocorreu após os dois terem visto uma de suas apresentações na banda Episode Six.
Ficou no Purple até 1973, em uma das fases mais aclamadas da banda, participando dos álbuns In Rock, Fireball, Machine Head e Who Do We Think We Are. Participou também da opera rock Jesus Christ Superstar, onde gravou a voz de Jesus Cristo, isso no ano de 1972.

Ian Gillan é considerado um dos melhores vocalistas do mundo na década de 70.

Ritchie Blackmore, durante a entrada de Gillan no Deep Purple, classificou seu vocal como gritos profundos com uma pegada de blues“.

Gillan também cantou no Black Sabbath, gravando o disco Born Again, além de ter tido uma bem-sucedida carreira solo nas bandas Gillan e Ian Gillan Band.

Me lembro de assistir a um show do Deep Purple, onde Gillan pede desculpas por não chegar mais nos tons de sua voz em Child in Time. É som conferir e relembrar esse vocalista nos vídeos abaixo.

.
 

Ozzy merece

To eu aqui no meio da tarde, todo perdido no meio de orçamentos, propostas, projetos, e me chega o e-mail do amigo Alexandre, com a seguinte mensagem:

Ô, COLOCASTE UMA SONZEIRA DO BLACK SABBATH, CHANGES, NAQUELE SET LIST DE
RIVERA.     LOUCURA!
VAI ROLAR ESSA NOITE, EM HOMENAGEM AO PRÍNCIPE!

Pensei com meus botões, quanto tempo que não escuto esse som. Vou tirar uns 5 minutos, e prestar mais uma homenagem ao mestre que toca hoje em Porto Alegre.

Vai aí um vídeo de Changes, e o começo da letra.

I feel unhappy, I feel so sad
I’ve lost the best friend, that I ever had
She was my woman, I love her so
But it’s too late now, I’ve let her go

I’m going through changes
I’m going through changes

….

OZZY merece.

Trailer DVD e BD do AC/DC … tá chegando !

Pra quem aguarda ansiosamente pelo lançamento do DVD do AC/DC : “AC/DC – Live at River Plate” fica aqui uma prévia pelo menos do que tá vindo pela frente.

Foto do cartaz enviado pelo amigo @alesousa10 

A banda AC/DC liberou um trailer do DVD que já tem data para lançamento:  dia 10 de maio. 


O show foram gravados em Buenos Aires em 3 apresentações diferentes, em dezembro de 2009, que renderam 19 faixas para o DVD.


Agora é só aguardar como se não houvesse amanhã o mês de maio…


Mr. Crowley

Com a vinda de Ozzy para o Brasil, e após saber da possível set-list, bateu uma vontade de saber um pouco mais sobre esse tal de Mr. Crowley. Essa música é uma das minhas favoritas do Ozzy, e já comentei num post sobre o Randy Rhoads,  pois o segundo solo dessa música é considerado o 28 melhor solo em 100 pela revista Guitar World, e número 34 na lista dos 50 melhores solos da Planet Rock. ( http://metalposts.blogspot.com/2011/03/29-anos-sem-randy-rhoads.html ).

Sr. Crowley

Mr. Crowley, what went on in your head
Sr. Crowley, o que se passava pela sua cabeça?
Mr. Crowley, did you talk with the dead
Sr. Crowley, você falava com os mortos?
Your lifestyle to me seemed so tragic
Seu estilo de vida me parecia tão trágico
With the thrill of it all
Com toda aquela diversão
You fooled all the people with magic
Você enganou todas as pessoas com magia
You waited on Satan’s call
Você esperou a chamada de Satã
Mr. Charming, did you think you were pure
Sr. Encantador, você achou que fossemos puros?
Mr. Alarming, in nocturnal rapport
Sr. Alarmante, em harmonia noturna
Uncovering things that were sacred manifest on this earth
Desmascarando coisas que eram manifestos sagrados nesta terra
Conceived in the eye of a secret
Concebido no olho de um segredo
And they scattered the afterbirth
E eles espalharam os recém nascidos
Mr. Crowley, won’t you ride my white horse
Sr. Crowley, você não irá cavalgar no meu cavalo branco?
Mr. Crowley, it’s symbolic of course
Sr. Crowley, simbólico, claro
Approaching a time that is classic
Chegando um momento que é clássico

I hear maidens call
Eu ouço a chamada das donzelas
Approaching a time that is drastic
Chegando um momento que é drástico
Standing with their backs to the wall
Em pé com as costas contra a parede
Was it polemically sent
Foi enviado polemicamente?
I wanna know what you meant
Eu quero saber o que você quis dizer
I wanna know
Eu quero saber
I wanna know what you meant
Eu quero saber o que você quis dizer

Mr. Crowley é uma canção criticando o ocultista inglês Aleister Crowley, lançada no álbum Blizzard of Ozz, de 1980. É a segunda canção  deste primeiro álbum solo deste artista depois da sua separação da banda Black Sabbath. Atingiu o 46 lugar nas tabelas musicais inglesas. Os músicos que tocam esta musica são o guitarrista Randy Rhoads, o baixista Bob Daisley  e o baterista Lee Kerslake. Don Airey  é quem faz a fúnebre introdução de órgão.

A música é um de dois singles, sendo “Crazy Train” o outro, desse álbum.

Muitos “covers” lhe foram feitos incluindo bandas como Moonspell, Cradle Of Filth e The Cardigans e por artistas como Tim “Ripper” Owens, Joe Lynn Turner, George Lynch e Michael Angelo Batio

Aleister Crowley, nascido Edward Alexander Crowley (12 de Outubro de 1875 – 1 de Dezembro de 1947), foi um membro da Ordem Hermética da Aurora Dourada e influente ocultista  britânico, responsável pela fundação da doutrina Thelema. Ele é o co-fundador da A∴A∴ e eventualmente um líder da Ordo Templi Orientis (O.T.O.). Ele é conhecido hoje em dia por seus escritos sobre magia, especialmente o Livro da Lei, o texto sagrado e central da Thelema, apesar de ter escrito sobre outros assuntos esotéricos como magia cerimonial  e a cabala.

Crowley também era um hedonista, usuário recreacional de drogas, e crítico social. Em muita de suas façanhas ele “iria contra os valores morais e religiosos do seu tempo”, defendendo o libertarianismo baseado em sua regra de “Faz o que tu queres”. Por causa disso, ele ganhou larga notoriedade em sua vida, e foi declarado pela imprensa do tempo como “O homem mais perverso do mundo.” Além de suas atividades esotéricas, ele era também um premiado jogador de xadrez, um alpinista, poeta, dramaturgo e foi alegado que ele também era um espião para o governo britânico.

Em 2002, uma enquete da BBC descrevia Crowley como sendo o septuagésimo terceiro maior britânico de todos os tempos, por influenciar e ser referenciado por numerosos escritores, músicos e cineastas, incluindo Jimmy Page, Alan Moore, Ozzy Osbourne, Raul Seixas, Marilyn Manson, e Kenneth Anger. Ele também foi citado como influência principal de muitos grupos esotéricos e de individuais na posterioridade, incluindo figuras como Kenneth Grant, Gerald Gardner e Amado Crowley.

Set-list que rolou em em Buenos Aires:

Bark at the Moon
Let Me Hear You Scream
Mr. Crowley
I Don’t Know
Fairies Wear Boots (Black Sabbath)
Suicide Solution
Road to Nowhere
War Pigs (Black Sabbath)
Shot in the Dark
Rat Salad (Black Sabbath)
Iron Man (Black Sabbath)
I Don’t Want to Change the World
Crazy Train

BIS
Mama, I’m Coming Home
Paranoid

Iron Maiden Rio de Janeiro Show. Agora sim.

Depois do cancelamento do show no Domingo à noite, dessa vez o Iron pode se apresentar e emocionar o público que esteve presente a Arena HSBC.

O set-list não mudou, e não teve nenhum extra, ou um plus a mais, mesmo com o fato ocorrido na noite anterior. Bem, é uma banda inglesa, nada mais lógico, executaram com perfeição e maestria oq vieram propostos a oferecer. Quem compareceu teve por duas horas o melhor que um bom show de heavy metal pode oferecer.

Vídeo de Vitor Frangel – gravado ontem 28.03.2011

“Satellite 15… The Final Frontier”
“El Dorado”
“2 Minutes do Midnight”
“The Talisman”
“Coming Home”
“Dance of Death”
“The Trooper”
“The Wicker Man”
“Blood Brothers”
“When the Wind Blows”
“The Evil That Men Do”
“Fear of the Dark”
“Iron Maiden”

Bis
“The Number of the Beast”
“Hallowed Be thy Name”
“Running Free”

26/03/2011 – O dia em que o Morumbi balançou.

Sério, vão aí minhas modestas gravações do Show do Iron Maiden. Levei o smartphone Nokia N8, ele tem uma excelente gravação nos quesitos de áudio e vídeo, faz gravações em HD e som digital. Mas o problema mesmo, por se tratar de um produto extremamente fino, não tem como ter lentes para um zoom mais aprimorado. Estou nesse momento começando o upload para minha conta no Youtube destes vídeos. Cada gravação em torno de 800Mb.

O mais interessante, é que não tem como não balançar a gravação, pois estávamos nas cadeiras. Impressionante a participação de todos, coisa de outro mundo. Só mesmo fãs de Metal para agitarem e literalmente, balançar as estruturas do Estádio Cícero Pompeu de Toledo.

Vai aí o primeiro vídeo, da visão das cadeiras azuis. Estarei implementando de acordo com a chegada dos vídeos.

 Fear of the dark
 The number of the Beast
 
Running Free